segunda-feira, novembro 15, 2010

Erros meus...

Errei muito. Fui presidente de uma associação de pais, coordenadora de curso, gestora de condomínio, representante dos encarregados de educação, militante de associações várias, sindicalizada desde o primeiro dia. Fundei ou ajudei a fundar várias associações de ex.estudantes de das várias escolas onde andei e daquelas onde tive alunos, prolongando vínculos que me tinham abanado o coração.

Errei muito, fui de todos os poderes pequenos, aqueles das vozes altas, dos olhos molhados, das crenças ingénuas, das noites mal dormidas. Aqueles poderes pequenos de dar o rosto. Guardei de todos eles pós de ouro e pós negros. Pelo último dos poderes pequenos, tornei-me réu, título que parece que só pertence a gente importante.

Esqueci-me de militar num partido político, ou melhor, esse erro felizmente não cometi. Faltou-me ingenuidade suficiente. Ou descaramento.
~CC~

8 comentários:

via disse...

não há nada a lamentar, então, pelo contrário só a congratular por teses essa aguda consciência e mesmo assim não desistir do poder, dar o rosto.

CCF disse...

Via, eis o que lamento. Há um ano e pouco atrás, numa situação em que o meu prédio já não tinha elevador, nem luz, e a porta da garagem estava sempre aberta...acedi a ficar no condomínio. A empresa que o geria abandonou tudo sem prestar contas e com uma divída acumulada à empresa dos elevadores. Durante um ano a empresa dos elevadores diz ter enviado cartas a dizer que o processo estava em contencioso, mas nunca as recebemos. Um dia vieram aqui. O meu nome e telefone estava à vista no quadrinho da entrada, disponível para todos os condóminos. A partir daí foi tudo em velocidade de cruzeiro, de estranhar num país que dizem de justiça lenta. Convocados os condóminos para se tentar chegar a um acordo com a empresa e evitar a ida a tribunal, apareceram 4 de 17.

Os poderes pequenos, Via, vão a tribunal e são julgados e condenados. E rapidamente. Já a Cidadania, essa, é para os parvos nos quais me incluo. Mas incluo-me com muita alegria, mas também muita tristeza.

~CC~

Leonor disse...

entendo muito bem esse sabor entre o orgulho, por não cedermos, e o desencanto, por sabermos do encerramento, inexorável, de alguns sonhos.

JVT disse...

Um abraço amiga...

Maria Ana disse...

Mulher de fibra...
Faço das palavras da Via e da Leonor as minhas...
Um Abraço da Ana

rff disse...

A treta dos condomínios funciona de facto como uma bela analogia ao País. Reina a fuga para a frente e quem se lixa são sempre os mesmos...
Saúde

Margarida disse...

Vivemos de erros ... mas sobretudo de sonhos que continuamos a alimentar, mesmo nos erros!

«Sonho meu!! sonho meu!! ... »

Força, rapariga!! ...

Gostava de perceber é como chegámos aqui ... a este estado da justiça!!

Bjs grds

Demóstenes disse...

errare humanum est