quarta-feira, julho 11, 2012

A contemplação verde


Seria maçador explicar-vos as razões porque fiz o meu ensino secundário numa escola profissional de agricultura. O que importa é que descobri lá o que ainda hoje suporta a minha relação com a natureza: a contemplação é o melhor que podemos fazer por ela. Não me seria possível trabalhar em nenhum ramo da agricultura, embora mantenha o meu fascínio por hortas domésticas e estufas de cactos e flores.

Observo as plantas da minha varanda com carinho e dou-lhes apenas água, não faço rigorosamente mais nada por elas a não ser votar-lhes diariamente alguns momentos de contemplação. Vejo as folhas que cresceram, as que definharam, o modo como se inclinam com o vento, a dificuldade que algumas têm com o frio, o modo como gostam do calor. Pela primeira vez a roseira tem dois botões: uma das rosas nasceu há quase mês e meio, outra é ainda um botão.  Fico estupidamente contente porque pela primeira vez esta roseira dá mais que uma rosa por Primavera/Verão, atribuindo à cumplicidade do meu olhar essa maior produtividade. Não, não poderia certamente trabalhar no ramo.

~CC~

3 comentários:

fallorca disse...

Nem no pedúnculo? :)

Anónimo disse...

Poder podias e havias de fazer hortas bonitas. De certeza que arrancarias couves para não pertubarem o crescimento das papoilas.
Beijo
*jj*

Liliana Carvalho disse...

As plantas ensinam a ser pacientes! Tão diferente de se ser animal. E na sua simbiose complementar a natureza é perfeita. Gostei mt do texto. Se não se importa vou referir no meu blog.