sexta-feira, fevereiro 10, 2012

Conversas inquietantes (V)

Casal (entre os trinta e os quarenta) com duas filhas pequenas, ao fim da tarde, no café.

- Pai, quero ali aquela bolachinha.
- Pede à tua mãe, ela é que sabe dessas coisas (sacundindo-a devagarinho).

A mãe, que já estava sentada na mesa, levanta-se para vir atender a criança, enquanto o pai se senta, indiferente.

~CC~

3 comentários:

deep disse...

Um cenário comum, infelizmente. É tão cómodo não ter jeito para certas coisas...

Margarida Belchior disse...

... quando nos demitimos da relação, do cuidar, da atenção ao(s) outro(s) ... o amor não pode mais resistir. Ninguém parece viver feliz! Tudo fica triste!

É preciso reaprendermos esta "arte" de cuidarmos uns dos outros e o prazer, a energia vital, que isso nos dá: é isso o amor!

Beijinhos, em reaprendizagem

Maria de Jesus Lourinho disse...

Não é o novo cardeal que diz que as mulheres devem ficar em casa a tomar conta das crianças? Quem diz em casa, diz no café, ora essa.