terça-feira, novembro 23, 2010

SPA dois castelos

Há muito que o caudal da água é apenas um fio a desencorajar o esquentador de funcionar. Ontem morreu de vez, calado o piloto automático, dizendo um adeus que nos soube só a frio. E hoje a frase mais cortante que pode haver: isto não tem solução. De repente, a frase mais cinzenta, esse arrepio perante a injustiça inteira do mundo. Senhor eu formei-me na escola das crenças humanas, essa em que a solução é a bandeira que aquece o sangue e o põe a funcionar em cada madrugada.

Não sei arranjar esquentadores, nem ele, que é o especialista.

Pela positiva tornarei a banheira num SPA aquecido a panelas de água, à qual poderei misturar essência de madeira, baunilha e canela. Pela negativa, arrepio-me a cada manhã que com o tempo será manhã escura, quase noite a caminho. Há soluções intermédias que o desespero nao me deixa ver perante os olhos pautados pela desilusão do senhor: não há solução minha senhora, mude de casa.

Tamanha irracionalidade a minha, porque é que eu comprei uma casa só por ter vista para dois castelos. Nunca a conseguirei vender invocando o mesmo motivo.
~CC~

1 comentário:

*JjS* disse...

"...nem ele que é o especialista."
Os esquentadores são dos seres domésticos com mais manias. Estou em crer que uma área profissional com futuro será a de psiesquentador.
Isso do SPA doméstico com essências e outros mimos essenciais parece-me mesmo muito bem. Mas é melhor com a ajuda de alguém para deitar água e pétalas de rosa. Nas outras situações, o esquentador faz mesmo falta.

Beijo (essencial)
*jj*