domingo, abril 11, 2010

De olhos molhados

Ele veio no final contar-me uma história, ele e todos os outros que estavam presentes, tinham saído meninos das páginas do Diário do Sebastião e vinham agora já velhos beijar-me as faces coradas. Parecia um sonho, não fosse ter a certeza que estava a acontecer.

Ele disse-nos para irmos até à varanda da sala 19, até aquela varanda enorme sobre o Tejo. E disse-nos para olharmos bem e escrevermos um poema. E eu não sabia o que escrever e estive muito tempo, muito tempo a olhar. Entreguei uma página em branco só com o título que dizia: Da minha Janela...E ele entusiasmado disse-me: excelente título, muito bom...E eu fiquei espantado a olhar para ele, de olhos abertos e arregalados...e daí para a frente escrevi muito, e ele passou-me a chamar-me poeta.

Como é possível que tantos anos depois estejamos ali a contar histórias? Eles que foram alunos dele, ela que foi (é) a mulher dele, eles que foram a família, nós que o lemos. Parece que dois dias antes de morrer escreveu um poema sobre asas, as maravilhosas asas das aves, talvez as que voam ainda sobre a Arrábida. Posso ouvi-lo a dizer aos alunos, de braços bem abertos: de que estão à espera para voar?

Falo sobre mim, sobre o Sebastião, sobre ser professor, sobre amar a escrita? Não sei, não sei exactamente o que disse. Acho que me levantei e falei de pé, ou voei. No fim alguém disse: pintou uma aguarela. Acho que nunca ninguém me tinha dito uma coisa tão bonita.

Os meus olhos só não deixavam cair a água.
~CC~
(obrigado também a A, S, J, sem os quais voar seria mais difícil)

2 comentários:

Margarida disse...

Que pena não ter podido ir!

Fica para a próxima!

Bjs pela partilha!

via disse...

adoro contar histórias e adoro que me contem histórias.boa escolha.