quarta-feira, março 12, 2008

Primavera



A noite tinha sido branca, cada hora a passar uma a seguir à outra em perfeita consciência, e com ela o medo a crescer. Assim que o sol nasceu meio pálido numa manhã ainda fria, saímos para a rua. Era preciso andar e andar e não comer nada, é pouco o que os médicos nos dizem às vezes, quase o mesmo que a vizinha do lado. Não podem ler nos nossos olhos porque isso poderia atrapalhá-los, então cruzam os olhares rápido para que a luz que podemos ter ou a absoluta falta dela, não os possa ferir. Como os ponteiros do relógio demos voltas e voltas em redor do hospital até que o sol acordou por completo e a dor se tornou tão grande que o corpo teve que se dobrar ao meio, num último esforço para ultrapassar a porta.

Tudo começou bem e a meio tornou-se mau e escuro e difícil. Mas o que fazem as sombras quando o sol chega forte? Era meio dia e acho que o chamei, chamei baixinho e sem nenhuma dor já, eu era apenas o desespero a chamar a esperança.

Foi no calor do meu sorriso que a vi e era uma princesa tão loira e tão bonita, que parecia ter saído de um conto de fadas. O que dizemos quando nascem flores? Que começou a Primavera. A minha chega sempre um pouco antes, desde há doze anos que anda assim a adiantar-se ao calendário. E cada ano mais bonita.

Parabéns flor.
~CC~


6 comentários:

JS disse...

E assim se faz primavera.
Parabéns princesas!
Beijos
*jj*

isabel mendes ferreira disse...

parabéns TU.



por tanta beleza num só post!!!!!


chegar aqui é sempre um re.encontro com o que de melhor a vida nos dá.



beijo.

CristinaGS disse...

Feliz ano para as duas meninas.

JvT disse...

Parabéns às duas!

Beijinhos
João

marta disse...

Parabéns CC

parabéns, também à tua Primavera

Anónimo disse...

Parabéns. :)

Madalena.