sábado, março 08, 2008

Mulheres



Não quero rosas, obrigada. Prefiro as flores do campo.


Gostaria mais que notícias como a do jornal Público de ontem não existissem. Na pág. 13 pode ler-se que as reclusas não têm direito como os reclusos a visitas íntimas (que duram três horas, uma vez por mês). "É como se só eles tivessem imperativo sexual". Estamos no Ocidente do século XXI.


É nestas coisas pequenas, muitas delas ligadas de facto ao corpo, ao afecto, ao sexo, que a discriminação passa ainda como uma sombra. E claro, nas questões do poder, donde elas por vontade própria ou alheia arredam as suas vidas. Quando não o fazem, gostam de mostrar uma face dura, como para desmentir o que a sociedade considera a fraqueza do género. Aqui e agora, as conquistas princípais estão feitas, mas há ainda discriminação subtil e difusa, sombras. E há ainda a violência. No outro dia, na rua, em plena cidade, ouvi o lamento de uma amiga a outra: ontem o sacana bateu-me tanto....junto delas caminhava um miúdo de três anos. Os relatos são mais que muitos.


Para que servem as rosas senhores? Prefiro as Acácias Rubras.


~CC~

5 comentários:

marta disse...

O pior é que não são subtis, são escancaradas


Tens lá as receitas feitas com farinha de milho

Anónimo disse...

È linda a acácia , não e bonita fotografia! Gostei tanto !
cordialmente
JRM

clo disse...

são escancaradas...
só não vê quem não quer,mas há sinais de mudança sobretudo nas mulheres que ousam pouco a pouco despir-se da capa do medo.
A foto é lindíssima! O texto, como sempre, saiu perfeito.
Parabéns
Clo

blue disse...

obrigada, ccf.

Maria, Simplesmente disse...

Continuamos como no tempo da minha avó "sexo é só para homens" as mulheres não precisam de sexo. Até fica mal as mulheres terem necessidades tão naturais.
Será que os homens que fazem as leis não nasceram das mulheres?...
É estranha... muito estranha, esta maneira de pensar e proceder.
Depois fala-se nos direitos das mulheres!.
Já não posso ouvis eata frase hipócrita.
Boa semana
Maria