domingo, março 09, 2008

Links

Acredito que a amizade é voz, ela irrompe o nosso silêncio interior para nos transportar ao encontro e depois tece um laço que se alimenta de um diálogo muito íntimo que nos fortalece.

Antes estas vozes tinham um rosto preciso e apenas ele era sempre invocado na nossa memória para referir a palavra amigo. Hoje chegam-nos vozes sem rosto através da rede, vozes que ficam a falar-nos na caixa de comentários, vozes de afago e de dúvida, vozes sem timbre nem tom, até que alguém faça um movimento para dar imagem ao que é apenas sombra. Umas vozes aparecem e depois desaparecem como fogos fátuos, ficamos a pensar que vento as levou, com que palavras esquecemos de corresponder ou que talvez a aragem seja a sua natureza. Das razões porque vieram, das razões porque foram, nunca chegaremos a saber. Do Ninguém Lê, meu primeiro blogue, recordo o Jorge e o Jota, vozes que eram persistentes nas suas vindas e teciam nós connosco, mas que um dia se foram, assim como bolas de sabão desfeitas ao vento.

Não tenho ainda a capacidade suficiente para compreender o que é esta amizade sombra que se vai construindo na rede, estas vozes que se chegam a nós através das imagens e da escrita. Mas estou longe de querer compreender tudo, não obstante alguma deformação profissional me conduzir por essa via. O que eu queria, sobretudo, era dizer que o link é esse caminho para o outro quando o outro já fez até nós um caminho, é dizer-lhe que agradecemos o tempo que nos dedica na caixa de comentários, é dizer-lhe que mesmo quando não há possibilidade de resposta ou resposta sequer, estamos aqui e escutamos.

É assim com:
Isabel Mendes Ferreira, do Piano
JRM, do Profanus.
Para eles o meu abraço. Outros, a seu tempo virão, se os dedos no teclado aqui os trouxerem.
~CC~

6 comentários:

Gigi disse...

Por acaso, os meus dedos trouxeram-me até aqui e ainda bem - gostei muito deste post.

Maria, Simplesmente disse...

Vim agradecer-te mas parece-me que fiz qualquer coisa que o agradecimento não ficou.
Obrigada.
Muita gente vê o Forte enquanto eu recordo.
Talvez muitos que o avistem nunca lá tenham ido, e eu que nunca o avisto posso recordá-lo.
Vês como as coisas são?
Um abraço
Maria

isabel mendes ferreira disse...

e.
regressei.

para estar de novo em breve a partir.


.
mas.

nunca sem por aqui estar/passar/regressar.


com a saudade de quem sabe o caminho. de casa.


beijooooooooooooo.

_____________***______________
a corresponder-TE.

Maria, Simplesmente disse...

~CC~ A vida é assim mesmo.
Tal como na blogosfera os amigaos aparecem e desaparecem sem deixar de ser amigos.
A amizade virtual também, nem sempre nos pode manter prisioneiros daqueles de quem gostamos e isso é precisamente, para mim a amizade.
A amizade não tem tempo nem distência e muito menos a presença constante, a amizade tem que sentir também aquela palevra mágica que nós temos para designar o sentimento que a ausência nos peovoca. Sabes que palavra é?... Saudade!
Saudade fortalece a amizade e dá-nos a alegria de voltar a ver, a abraçar que de outra maneira seria tão banal!...
Criamos amizades ~CC~ podes crer que sim, mas amizades com a máxima liberdade.
Um abraço
Maria

Profanus disse...

..... muito obrigado pelas suas palavras e menção... disponho igualmente como você do tempo que me ofereço a ler a blogoesfera e o seu ardósia, mas talvez com ritmos diferentes, o que não é nenhuma vantagem ou desvantagem ou se quiser as palavras que encontrar dentro destes limites ou outros...
...partilho como você
as mesmas dúvidas, tenho as mesmas perplexidades , resultado igualmente de alguma deformação profissional, o que não acrescenta nem aumenta nada a nada ... eu gosto de a ler , e comento só isso...
Você escreve muito bem...
cordialmente
JRM

CCF disse...

Gigi, que seja bem vinda!

Maria, sou branca meia preta e meia cigana, por isso não consigo ter por vezes o despreendimento que sugere, a aceitação das idas e vindas, a noção de que os outros nos procuram quando querem e precisam. Compreendo o que diz e aceito, mas tenho o coração mais preso, que fazer? :)

Isabel, também eu adoro idas e vindas...é bom andar pelo mundo, não é?

E eu também gosto de o ler, aqui e lá, e a seu tempo os dedos me levarão lá a comentar. É como diz, o tempo não chega para tudo e o meu é também tão pocuo, mas gosto da escrita como exercicío quase diário de escuta de mim, assim como dar um beijo boa noite a um filho(a).

Abraços links
~CC~