quarta-feira, janeiro 16, 2008

No tempo das princesas sós(I)


Era uma casa escola grande e quase em ruínas e nela estudavam as princesas, quase todas princesas sós. No limiar de deixar a sua adolescência as jovens mulheres sentiam na nudez da sua pele o quanto a solidão lhes pesava. Algumas tinham deixado para trás os seus primeiros amores, mortos na entrada desta outra idade, morto o seu encanto de rapazinhos, era de homens que falavam agora.

Teciam cumplicidades em noites inteiras de palavras trocadas, entre mil bordados entrelaçados de luzes ofuscantes e aproximações de negrume, entre panelas de comida fumegante mal cozinhada pelas suas mãos principiantes e copos primeiros de vinto tinto tirados da adega de um pai ou avô mais distraído ou permissivo. As princesas estavam momentaneamente sós, a duração daquela solidão oprimia a tempestade que os seus lábios guardavam, mas ao mesmo tempo gozavam daquele tempo entre mulheres, um tempo só delas.


Na casa grande das princesas sós elas alinhavam letras em livros gigantes e treinavam para as mestras de meninos escola que um dia iriam ser. Os seus olhos eram grandes poças de água onde os arbustos selvagens cresciam e o seu riso era tão tonto e tão forte que parava os homens na rua. Elas riam deles, insinuando o desprezo que na verdade não tinham.


Tília era a princesa mais recatada entre todos elas, mas o tom moreno da sua pele escondia um lume por atear. Nunca saberemos se isso aconteceu. Perpétua era a princesa que há muito deixara a casa dos seus pais e vagueava entre pontos num mapa, diziam dela que muito sabia e assim parecia, mas no fundo guardava mil recatos na sua pele branca e entre muitos medos, o de amar também lá estava. Nunca saberemos se chegou a amar.


Se um tempo triste pode ser feliz era assim o tempo delas.

~CC~

5 comentários:

isabel mendes ferreira disse...

a felicidade tem campos assim: de flores tristes...


este é um tempo de princesa!


______________


bom dia.


beijo.

JS disse...

Linda estória de princesas com nomes de chás... Isto promete!
Fico à espera da Camomila, da Artemísia, da Beladona, da Melissa...

Beijo
*jj*

CCF disse...

Sim isabel, sem dúvida! Este é o tempo...beijo

Js, não era para desocultar :) Mas tu és assim ("muito à frente", como dizem os putos). Continua à espera! beijo

Alba disse...

Muito belo, muito redondo e macio.
Adorei!

CCF disse...

Que bom Alba!...Eu também adoro escrever histórias.
~CC~