segunda-feira, fevereiro 27, 2012

Conversas inquietantes (VI)

Eu (prof) - Eu nunca vi uma escrita como a sua no ensino superior, estou muito preocupada consigo, é que não se percebe mesmo o que escreve.
Ele (aluno) - Eu sei professora...em tempos viram que eu tinha dislexia...
Eu (prof) - Então e onde está esse diagóstico?
Ele (aluno) - Não tenho, nunca me deram...
Eu (prof) - E nunca procurou ajuda? Tem que fazer alguma coisa...já foi aqui ao gabinete de Psicologia?
Ele (prof) - Sim, eles não fazem o teste. Levam 5 euros por cada consulta para outras coisas, eu não posso...
Eu (prof) - E uma colega que escreva bem? Alguém que pudesse estar consigo um bocadinho, fazer uns exercícios...
Ele (aluno) - Ninguém tem tempo professora...acha que alguém se vai importar?!

~CC~

3 comentários:

Carlos Azevedo disse...

É muito, muito triste...

Carlos Azevedo disse...

É muito, muito triste...

Maria de Jesus Lourinho disse...

Acho que há aí (na conversa do aluno) muita treta.
Conheci vários disléxicos, todos melhoraram e havia apoio para eles.
O deixa andar que cá me vou safando, é muito português.