sexta-feira, abril 22, 2011

ALMAR I



Eu fiz parte dos Almar. Os Almar são uma tribo simples cuja função é cuidar que os rios cheguem sempre ao mar, velar para que se dê a união necessária das espécies e a fusão do doce com o salgado. No momento em que vos escrevo, o meu povo está em vias de extinção, como uma qualquer outra espécie animal ameaçada. Digo-vos como éramos, como nos perdemos, como somos agora.

Os Almar viviam todos nas proximidades dos estuários, em grandes tendas de lona azul. Os olhos, de cor indistinta, eram líquidos e os cabelos quase vermelhos, por causa das cores de tingir os panos. As mulheres ocupavam muito do seu tempo neste ofício de tirar o branco dos tecidos e depois vendiam-nos como tapetes de flores nas feiras mais próximas. Uma criança Almar procura sempre o curso das linhas azuis nos mapas do futuro e tem na pele um triângulo desenhado com a seiva das árvores.



~CC~



Notas:


1. Uma primeira versão incompleta desta história foi publicada ainda no "ninguém lê" e depois uma parte aqui. Será agora publicada integralmente-um andamento em 22 partes.


2. Nunca fui de participar em concursos literários, mas enviei esta história ao concurso de contos da FNAC pelo enorme incentivo, sobretudo da minha filha. Não ficou entre os cinco primeiros, gostos são gostos e só temos que respeitar, e nada é capaz de tirar o prazer da escrita a alguém que gosta de escrever. Na verdade, a escrita é o outro lugar da minha vida, e nunca o vi como "o lugar" onde queria realmente morar.




4 comentários:

Margarida Belchior disse...

...Lindíssimo!! ... sem palavras! ... Bjs grds

*JjS* disse...

Beijo
*jj*

fallorca disse...

«...a escrita é o outro lugar da minha vida, e nunca o vi como "o lugar" onde queria realmente morar...»
Gostos são gostos e necessidades, nem se fala :)

CCF disse...

Gracias à menina e ao menino :)

Fallorca...gostos são vários e diversos, e há outras coisas que também gosto muito de fazer...com todo o respeito a quem faz da escrita a sua vida (e necessidade).