quinta-feira, março 10, 2011

O beijo da morte

O beijo da morte é pura literatura, eu sei. Mas aconteceu-me esta noite. E foi tão intenso e tão aterrador que me deixou acordada a partir das cinco da manhã.

Parecia ser um beijo inocente e bom, de alguém cujo rosto não lembro. Queria-o e desejava-o. Mas em vez de parar o beijo continuava e continuava como um selo que não me deixava respirar.
E eu tentava sem êxito separar-me daquela boca mortal.

Acordar foi o modo de não morrer.

~CC~

PS. Psicanalista precisa-se.

4 comentários:

Anónimo disse...

A explicação, porque há uma explicação para tudo, parece simples. Andas aí de noite aos beijos sem saberes a quem e depois queixas-te... Acorda, rapariga.
:)
Zé Frói de Sousa

Margarida disse...

«O rabo é sempre o mais difícil de
esfolar!»

... deixa lá, 'tás quase, quase a acabar! ... no mundo simbólico a morte está sempre associada à vida, como tu sabes!

«Não há mal que nunca acabe, nem bem que sempre dure!» - como diz o povo.

Tudo sempre em evolução!

Quanto a interpretações, pelo que tenho aprendido, só tu poderás encontrar a que melhor te pode servir ... :-)

Bjs grds

fallorca disse...

Seria boca ou ventosa?

sem-se-ver disse...

bolas!