segunda-feira, setembro 06, 2010

Setembro

Nasci neste mês dos dias a acabar cada vez mais cedo, neste mês de queimar a terra para deixar lá outras sementes. E sou terra, essa mesma terra que morre para renascer. E eu já morri, por isso só me resta renascer.

Ter nascido neste mês deve ser uma boa razão para chorar pela última vez as coisas perdidas. E quando pensamos nas últimas lágrimas sabemos que ainda são as penúltimas, esse aproximar do fim que não é ainda totalmente fim. Como quando o dia vai acabando e não é ainda nem de noite, nem é já dia.

Esse gosto pelas imagens e palavras disseste tu, e como eu gosto de tudo o que tu dizes, gostei sempre, como um calor que se manteve anos inteiro, como se tivesse congelado. E se o descongelar, encontro intacto o teu azul. E quero-o, mesmo sem nada saber de ti.

Renascer são também as palavras, as imagens, e como posso dizê-las agora com menos sangue, volto aqui. Por pudor, não gosto de blogues manchados de sangue.


Na verdade estou ainda para nascer este mês.
~CC~

4 comentários:

deep disse...

Se pudesse escolher um segundo mês para nascer seria, sem dúvida, Setembro. Não este Setembro em que obrigatoriamente recomeça o trabalho, mas o das férias da infância, do regresso da calma à aldeia, depois das festas e dos imigrantes.
É um mês que convida a algum intimismo, talvez por isso, propício ao renascimento.
Vou estar atenta para saber quando renasces "oficialmente".
Abraço e boa semana. :)

Ana Pires disse...

Olá eu também vou estar atenta
para saber quando renasces,pois
gosto de ler o teu blog.
Abraço e tudo de bom.
Ana Pires

nils disse...

Bem, minha leitora, tenho passado aqui a ver se a via renascer do silêncio. É bom saber que de algum modo já dá os primeiros pontapés. Aqui estarei. Obrigado pela sua presença no meu blogue.

CCF disse...

Deep, fica-me a dúvida sobre o teu primeiro mês :)

Ana, pois não tinha pensado anunciar, mas talvez :)

Nils, o que eu acho mais piada é que é muito próprio de uma mulher fazer um blogue quando se divorcia, fazendo por aí a sua catarse, mas nunca tinha visto um homem a fazer o mesmo. Mas acho isso uma coisa maravilhosa, abaladora dos esterótipos que ainda nos dominam. Obrigada por ter vindo.
~CC~