segunda-feira, abril 14, 2008

Meio do Alentejo

Ainda trazia os lábios cheios de conchas ou talvez fossem beijos da praia. Ainda trazia o coração leve, adornado pelas estevas e pelas cegonhas cruzadas com Alentejo Primavera.

Desci a uma outra terra no meio desta conversa:
A- Ele hoje vai chegar mais tarde por causa do campeonato de sueca.
B- Então sempre se inscreveu?!
A- Sim, e a mulher-homem também, está lá inscrita no campeonato!
C- Parece mesmo um homem...
A- Mas não é, e anda misturada no meio deles.
B- Mas é como um homem, o cabelo muito curto, o jeito...
A- Mas dizem que anda com o velho...o velho emigrante que já tem 70 anos, anda no carro, um belo carro...e ainda lhe vai ficar com o dinheiro todo.
B- Uma mulher daquelas desgraça uma casa!
A- Se desgraça, quando dás por ti, já andam enrolados.
B- É o que acontece também com as Brasileiras...há cada história!

(três mulheres jovens continuaram este diálogo de medo e preconceito)

A vida aqui não se forja só pura e limpa no branco cal das casas e nas flores de laranjeira, ela arde em gritos como as papoilas espalhadas pelos campos.
~CC~

4 comentários:

Anónimo disse...

No meio do Alentejo dos preconceitos e dos humores, um pequenino primo meu foi pela primeira vez àquela escola...
No final dos seus 5 anos e, praticamente, no início do seu primeiro ciclo de escola, foi confrontado com a recepeção calorosa dos novos colegas [para além de todas as confrontações e mudanças até então...].
- Como foi, meu filho? Gostaste?
- Sim! Gostei muito dos meus amigos, mas dois meninos chamaram-me "cara branca"...

...

Um beijo grande,
Eunice Branco Aredes.

P.S.: E é no meio do [meu... deste...] Alentejo e das papoilas que gritam com o seu vermelho que vou buscar forças e calmas (não as alentejanas que são quentes, mas as da minh'alma)!

clo disse...

Belas e gratas recordações do Alentejo...
Como pessoas são do melhor do mundo!
Abraço
Clo

CCF disse...

Minhas queridas, também adoro o Alentejo...isso não está em causa. Mas mesmo nos lugares que nos parecem belos e imaculados, o preconceito pode emergir.
Abraços às duas.
~CC~

Anónimo disse...

Sim! Totalmente de acordo... há até quem tenha de lhes fugir para ganhar força, ser feliz e tomar coragem para regressar... assumindo o preconceito [dos outros], enfrentando-o!
Outros há que se abafam nesse preconceito e vivem uma vida às escondidas... do medo de falar e mesmo de elaborar o assunto...

Beijo enorme com saudades!

Nice*