quarta-feira, novembro 28, 2007

Que fazer quando as professoras choram?!

Ela contou pacientemente o modo como a professora tinha agido injustamente e quanto isso tinha magoado as duas colegas, uma delas amiga com quem partilha tardes e, imagino eu, também segredos.


Ouvi-a dividida, como tantas vezes em que sendo parte de uma coisa era também parte de uma outra. Lembrei os anos na Associação de Pais, pedaços de fim de tarde e inicíos de noite a escutar o coração dos pais daqueles meninos ainda tão pequenos. Gosto de tudo o que não esqueço e vem ecoar na minha memória a encher cada dia mais. Aqueles tempos vivem tantas vezes na sombra da minha pele.


E disse-lhe: mas essa professora não deve estar bem.


E ela disse: sim, viram-na a chorar antes da aula. De repente abriu-se uma janela que embora fosse ainda de revolta, era já uma outra coisa. Sim, o seu choro não pode transformar-se no choro das crianças que com ela partilham os seus dias, o seu desejo de aprender. Mas ainda assim, que fazer quando as professoras choram?!

~CC~

6 comentários:

CristinaGS disse...

Explicar que são pessoas :)

CCF disse...

Sim, Cristina...mas são pessoas que os alunos não supõem ver chorar...ou como diria tão bem o Joaquim, isso não faz parte do "protocolo"(1) :)
~CC~

(1)- A designação tem um ponto de vista cénico, há um cenário montado em que é suposto agirmos com determinados papéis como actores...quando não...(tu também tens boas ferramentas para essa análise).

Mada disse...

Normalmente saio da sala... e só me aconteceu chorar, porque me fizeram, eles mesmos, chorar.

:)

Um beijo,
Mada.

CCF disse...

Sim querida MAdalena, essas são outras lágrimas...e ainda bem que existem. :)
~CC~

mar.aravel@netcabo.pt disse...

Os filhos também podem educar os pais

chorar

porque não?

resistir?

porque sim

CCF disse...

Mar, sim, sempre sim! O problema é transferir as lágrimas para os putos! Transformá-las em amargura servida de bandeja às crianças. Muitas vezes disse aos meus alunos: hoje não estou nos meus dias, mas vamos tentar entender-nos, ok? Ou partilhei igualmente os êxitos...de forma contida sempre, e é assim que acho que deve ser. Não somos rostos inexpressivos mas também não somos colegas e amigos deles...oh, mas o que é interessante é pensarmos estas coisas, mesmo para discordar:) Abraço
~CC~